IN SAJ

Como a tecnologia aumenta a arrecadação da sua procuradoria

Como a tecnologia mudou a rotina da cidade de Contagem

Arquivos do Autor: Patricia Morais

Patricia Fragnani
Formada em Design pela Universidade Federal de Santa Catarina, participou do projeto de extensão “Identidade Visual e Sinalização do Centro Comunitário do Bairro Pantanal” como voluntária. MBA em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais e formada na academia Udacity no curso Nanodegree Marketing Digital. Já trabalhou como diretora de arte, designer e webdesigner em empresas de áreas diversas. Atualmente exerce o cargo de Analista de Marketing Digital na Softplan.

Como a tecnologia mudou a rotina da cidade de Contagem

A implantação do SAJ Procuradorias foi concluída em apenas 7 meses. Em pouco tempo a transformação digital na Procuradoria de Contagem proporcionou um salto de produtividade.

Ciência de Dados muda gestão de procuradoria no interior da Bahia

Plataforma da Softplan reúne dados e indicadores da instituição em gráficos de Business Analytics. Esse processo possibilita a tomada de decisões baseada em análises descritivas, diagnósticas, preditivas e prescritivas.

Como garantir que as Procuradorias zelem pelo dinheiro público?

Ainda que o crescimento econômico esteja sendo retomado aos poucos no Brasil, este continua sendo um momento pelo qual as Procuradorias devem atentar para as contas públicas. O rombo de R$ 14,42 bilhões no primeiro semestre de 2018, segundo o Banco Central (Bacen), representa um déficit primário equivalente a 0,43% do Produto Interno Bruto (PIB). […]

O melhor para Procuradorias: uma seleção de conteúdos de destaque em 2017

A Redação InSAJ separou os materiais mais acessados e compartilhados por aqueles que estão sempre buscando o melhor para Procuradorias.

A tecnologia no combate à corrupção nas prefeituras

Em entrevista à Rádio Justiça, o executivo de tecnologias Alexandre Vedovelli, fala sobre como a tecnologia ajuda no combate à corrupção nas prefeituras.

Renúncia de Receita: o que você precisa saber

Deixar de realizar a cobrança nos prazos e níveis exigidos por lei (extrajudicial e judicial) pode ser interpretado como crime pelos tribunais de Contas estaduais e ministérios públicos.