IN SAJ

Como a tecnologia aumenta a arrecadação da sua procuradoria

Processo de execução fiscal: por que a demora?

Processo de execução fiscal: por que a demora?

processo de execucao fiscal

A última versão do Relatório Justiça em Números, publicado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça), ganhou um tópico para tratar dos impactos da execução. O motivo: esse tipo de ação se refere a 51% do acervo dos 70,8 milhões de processos que tramitam nos Tribunais. Fazem parte dessa porcentagem as execuções judiciais criminais e as de títulos executivos – divididas entre fiscais e não-fiscais. Mas é o processo de execução fiscal o grande responsável pela taxa de congestionamento do Judiciário, que chega a 91% e se repete tanto na esfera federal, quanto na estadual apenas para esse tipo de ação. Se os números de execuções pendentes fossem desconsiderados, a taxa de congestionamento reduziria de 71,4% para 62,8% no ano de 2014, na qual o estudo se refere.

Já o relatório publicado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) mostrou o custo unitário do processo de execução fiscal na Justiça Federal. Segundo o estudo, uma ação pode levar até oito anos para ser julgada, com custo médio de R$ 4.368. No entanto, o processo leva mais cinco anos de tramitação administrativa antes de ir à juízo. Isso totaliza um período de 13 anos até sua conclusão. É importante ressaltar que o custo da justiça cresce sempre que aumenta o número de processos e também quando a tramitação é um procedimento moroso. Outro ponto importante a ser destacado é que a execução fiscal é uma das principais fontes de arrecadação do município. Quanto maior o tempo de duração das ações, menor é o recurso para investir em saúde, educação e mobilidade urbana.

A Procuradoria de Gestão da Dívida Ativa  de Barueri, em São Paulo, é um exemplo de órgão que conseguiu se organizar para aumentar sua eficiência operacional. Para Alexandre de Lorenzi, procurador do município de Barueri, são dois os fatores primordiais para garantir a produtividade. O primeiro deles é ter um espaço de trabalho salubre. “O ambiente precisa ser agradável, pois passamos mais tempo no trabalho do que dentro de casa. O lugar precisa ser agradável pra gente permanecer, esse é o ponto principal.” O segundo ponto, segundo o procurador, “é você trabalhar com os seus funcionários de forma participativa. A equipe precisa fazer parte de todas as etapas e de todos os processos”.

Se você tem interesse nos meandros do processo de execução fiscal, confira nosso eBook Execução fiscal como fator de equilíbrio de contas públicas

Confira boas práticas para tornar o processo de execução fiscal mais célere

Criar um cheklist

Uma das principais sugestões de Alexandre de Lorenzi é criar uma rotina de trabalho multidisciplinar, que envolva todos os colaboradores. Em Barueri, o procurador municipal criou uma espécie de checklist. Ela serve para verificar se o processo passou por toda a tramitação administrativa antes de inserir o cidadão na Dívida Ativa. Esse procedimento eliminou algumas falhas e aumentou a produtividade da equipe. Com isso, não é mais necessário corrigir erros preliminares durante o ajuizamento do processo de execução fiscal. “Hoje, quando o processo é encaminhado para a inscrição da dívida ativa, faço um pente fino para ver se cumpriu todos as exigências. Tendo cumprido, indico para o pessoal da dívida ativa todos os pré-requisitos para inscrever o débito. Dessa forma nós eliminamos todas as questões pontuais, que não é apenas da fiscalização.

Higienização dos cadastros de cobranças

A atualização no cadastro de cobrança traz celeridade para o processo de execução fiscal. Ela evita a perda de tempo e dinheiro que o ajuizamento da dívida de um cidadão que trocou de endereço traz para o órgão. A equipe da Procuradoria de Gestão da Dívida Ativa de Barueri, por exemplo, utiliza recursos como:

  • O serviço do Serasa;
  • Ferramentas de buscas da internet
  • E listas telefônicas para atualizar as informações dos cidadãos.

Processo digital

O processo digital, alinhado à higienização de contatos, aumenta a velocidade na tramitação do processo de execução fiscal. Segundo Lorenzi, a utilização de softwares permite que a tramitação total ocorra em menos de 30 dias. “Nós localizamos o contribuinte na primeira tentativa. Ele veio ao Ganha Tempo, efetuou o pagamento e fizemos a extinção do processo, em menos de um mês.” Ele explica ainda que ganhar essa velocidade na época do processo físico era algo impossível. “Antes, mesmo junto com o cartório, levávamos cerca de seis meses para fazer a primeira citação, com o resultado positivo ou não.

Quer conhecer mais boas práticas para aumentar a celeridade do processo de execução fiscal? Você é o procurador do município e ficou interessado em conhecer boas práticas de outras regiões? Preencha o formulário abaixo e receba atualizações diretamente em sua caixa de entrada!

Comentar

Seu e-mail não será divulgado. Campos obrigatórios são marcados *